FAQS

FAQS

FAQS - PERGUNTAS FREQUENTES

No separador em baixo respondemos a algumas das perguntas mais frequentes feitas pelos nossos utentes. Qualquer dúvida sobre alguma delas pode contactar através do separador contactos presentes no menu do website.

FAQS

Resposta

Em grande parte dos casos a idade máxima do utente que um médico pediátrico opera é de 18 anos.

      Resposta

      Um cirurgião pediatra tem valências que lhe permite entender as alterações que possam ocorrer durante o desenvolvimento de uma criança, desde recém nascido até à sua vida adulta. Além do mais tem formação cirúrgica específica o que leva a fazer de tudo para traumatizar o menos possível a criança, desde o início da mesma até ao seu pós-operatório.

          Resposta

          Desde que seja indicada por uma causa médica recomenda-se a fazer o mais novo possível, pois o pós-operatório será mais fácil

              Resposta

              Não é recomendado. Qualquer das situações mencionadas anteriormente aumenta com isso o risco anestésico e de complicações durante a cirurgia. Em situações que não sejam consideradas urgentes não é assim justificável. Além disso o pós-operatório seria mais longo e com possibilidades de infeções.

                  Resposta

                  Sempre. Pode ficar até à criança adormecer, salvo norma contrária do hospital. Após adormecer a mãe ou pai voltam para o quarto.

                      Resposta

                      Aconselhamos, em geral, ficar uma semana sem ir à escola ou infantário. É este o período de maior vigilância devido ao risco de traumatismos, infecção ou qualquer outro problema. No caso do desporto em geral 30 dias sem actividade física desportiva. Em alguns casos a natação é permitida após 15 dias.

                          Resposta

                          No fim da cirurgia é feita uma anestesia local e um analgésico por via venosa ou rectal (supositório). Por isso nas primeiras horas a criança não deverá sentir dor. Após 6 horas os analgésicos comuns costumam ser suficientes e de acordo com o caso são prescritos outros mais fortes. O segundo dia da cirurgia é melhor tolerado sendo suficiente o paracetamol.

                              Resposta

                              O risco anestésico não depende do número de anestesias. E se foi operado e não teve problemas provavelmente não terá novamente.

                                  Resposta

                                  Por pior que pareça, a anestesia geral é sempre melhor para a criança. Numa anestesia local a criança continuaria a chorar por estar segura e nunca sabemos se tem dor ou não. Além disso a cirurgia seria sempre feita de modo mais rápido e não da melhor maneira, com maior índice de complicações. Por outro lado a anestesia nas mãos de anestesista com experiência em crianças é segura e com índice de complicações mínimas. O tipo de anestesia dependerá do tipo de cirurgia. Pode ser mais superficial ou profunda de acordo com a necessidade.

                                      Resposta

                                      A maioria das cirurgias pediátricas hoje em dia podem ser realizadas em regime ambulatório, ou seja, tem alta no mesmo dia. Porém algumas seguradoras exigem que pelo menos o doente esteja 24h internado.